19 de maio de 2017

Campanha Lencinho com Carinho tem número recorde de doações

O coordenador do Núcleo de Prática Jurídica e da Comissão de Ações Sociais da FDSM, Prof. Francisco José de Oliveira, a coordenadora do Núcleo de Extensão, Profª Ana Carolina F. Silvestre, e a gestora da Assessoria de Comunicação, Cristiane Moraes, com as representantes do GAC-Sol, Cleide Silva e Nilza Domeneguetti. 


Pelo terceiro ano consecutivo a FDSM realizou, em parceria com o GAC-SOL (Grupo de Apoio à Causa Solidária), de Pouso Alegre, a campanha Lencinho com Carinho. O objetivo foi arrecadar toucas e lenços para pacientes oncológicos. Neste ano, a participação da Comissão de Ações Sociais da faculdade, coordenada pelo professor Francisco José de Oliveira, encabeçou o projeto e conseguiu arrecadar o expressivo número de 850 doações, entre toucas, lenços, cachecóis e chapéus. Os materiais foram entregues na manhã do dia 19 de maio ao GAC-SOL, que encaminhará às instituições que recebem crianças e adultos para tratamento oncológico em Pouso Alegre e região. A FDSM agradece e parabeniza a todos que colaboraram! 

9 de maio de 2017

FDSM e Unicamp promovem Seminário sobre Direito em Campinas



A FDSM (Faculdade de Direito do Sul de Minas) e a Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) promoverão no dia 7 de junho, no Instituto de Economia da Unicamp, em Campinas/SP, o “III Seminário Encruzilhadas do Direito – Diálogos Necessários”. Neste ano, o evento contará com a participação do professor e coordenador do Programa de Pós-Graduação da FDSM, Rafael Lazzarotto Simioni, e da coordenadora do Núcleo de Extensão e professora da FDSM, Ana Carolina de Faria Silvestre. O evento reunirá pesquisadores, juristas e estudantes de Direito de todo o Brasil.

O professor da Unicamp e um dos responsáveis pelo seminário, Luiz Renato Vedovato, falou sobre o evento. “Neste ano o Seminário ‘Encruzilhadas do Direito – Diálogos Necessários’, já em sua terceira edição, conta com a parceria da FDSM. Na primeira mesa do evento teremos a participação do professor Rafael Simioni fazendo uma análise jurídica e fotográfica sobre o desastre ambiental em Mariana/MG. Com ele estará o professor Daniel Nagao, da Universidade Mackenzie. Na segunda mesa teremos uma discussão com a professora da FDSM, Ana Carolina de Faria Silvestre, e com o professor Marcos Lopes, da Unicamp, acerca do livro “O Germinal”, de Émile Zola, demonstrando as dificuldades que se tem na construção da proteção ao trabalhador, em especial neste momento histórico que passamos por sérias mudanças trabalhistas. O seminário é uma abertura para que o direito possa se comunicar com outras áreas, trazendo uma reflexão mais profunda sobre temas que, muitas vezes, são analisados somente pela ótica jurídica”, comentou.  
            O professor Rafael Lazzarotto Simioni falou sobre a importância do evento para a FDSM, que foi a escolhida pela Unicamp para a parceria, dentre várias instituições do país. “É uma grande honra para nós fazer parte dessa parceria com a Unicamp, que é uma referência internacional no âmbito das ciências sociais. O evento vai tratar das questões do direito ao desenvolvimento e do direito do trabalho, que são justamente as grandes problemáticas do Brasil contemporâneo, nesse cenário de crise política e econômica”, disse.
            A professora da FDSM, Ana Carolina de Faria Silvestre, falou sobre sua participação no evento. “Estabelecer contato com outras instituições e outras disciplinas é sempre muito enriquecedor e possibilita que façamos outras leituras sobre um mesmo assunto. Fico muito honrada por fazer parte deste evento e estar em contato com estes grandes profissionais. O seminário é importante para que os alunos da FDSM percebam a relação do direito com outras disciplinas. Na mesa em que eu vou compor, vamos discutir a obra de Émile Zola e debater sobre os institutos jurídicos, a contingência atual, as transformações na legislação trabalhista e as suas conquistas”, concluiu          
            As inscrições para o evento podem ser realizadas pelo site da FDSM. Mais informações: 35 3449-8106 /
ppgd@fdsm.edu.br .

2 de maio de 2017

Alunos da FDSM visitam aldeia indígena Xucuru Kariri, em Caldas



             No último sábado, 29 de abril, os alunos da FDSM (Faculdade de Direito do Sul de Minas) visitaram a aldeia indígena “Xucuru-Kariri”, em Caldas, MG. Para participação no evento, os alunos fizeram uma inscrição solidária doando 2 kg de mantimentos, que foram entregues aos índios. A atividade foi coordenada pelo Grupo de Pesquisa Margens do Direito, que tem como pesquisador líder o professor da FDSM, Dr. Rafael Lazzarotto Simioni. Cerca de 90 alunos estiveram presentes.           
            O cacique da tribo, Thyéru (Jal Sátiro), falou sobre a visita dos alunos à aldeia. “Receber a FDSM em nossa tribo é um privilégio. Muitas vezes nossa cultura não é reconhecida, e esse encontro é uma oportunidade de aproximação entre a tribo e os alunos que, em breve, serão profissionais formados e poderão nos ajudar a zelar pela nossa religião, nosso ‘toré’ (ritual indígena) e nossa dança, que foram deixados por nossos antepassados. A aldeia estará sempre aberta para receber a visita da FDSM”, comentou. 
    
          Para o Prof. Rafael Lazzarotto Simioni, o contato com os índios alerta os alunos para a importância da preservação da cultura indígena. “Essa visita é muito importante, especialmente para os alunos de Sociologia Jurídica, porque oportuniza um contato com outros modos de vida que não são os da sociedade ocidental. Nós vivemos em um mundo globalizado e multicultural, em que aprender a conviver com as diferenças se torna uma estratégia importante para ter uma vida com dignidade. Essa oportunidade que a FDSM disponibilizou para os alunos visitarem a aldeia Xucuru-Kariri permite conhecer a riqueza cultural, diversidade e importância da preservação dessas culturas. Nossos alunos serão futuros advogados, juízes, promotores e delegados de polícia. É importante que eles tenham essa experiência, para entender o significado de uma dimensão multicultural da nossa vida social”, destacou.            
            “Quando o professor Rafael Lazzarotto Simioni nos convidou para conhecer a aldeia eu fiquei muito animada. Ter a oportunidade de entender os costumes e as tradições dos índios foi engrandecedor. Muitos hábitos deles são bem distintos dos nossos, e ver o contraste de perto é bem legal. Grande parte do que estudamos em sala de aula vimos na prática”, comentou a aluna Bruna Cristina Silva, do 3º período. 

            A acadêmica Fernanda de Cássia Cintra Souza, falou sobre a experiência de visitar a tribo indígena. “Essa é uma atividade bem diferente do nosso cotidiano. Vir a uma aldeia, ter esse contato e conhecer a cultura indígena é muito enriquecedor. Nós estamos acostumados a viver com muito, e ver a simplicidade dos índios nos faz repensar a forma de vida que levamos. Com certeza o que aprendemos aqui agregou valores em nossa formação acadêmica e em nossas vidas”, concluiu.